Lula, que disputará as eleições presidenciais de outubro, participa de evento sindical durante o Dia Internacional dos Trabalhadores em São Paulo. | Imagem: Luisa Dörr por TIME
Presidente mais popular do Brasil retorna do exílio político com a promessa de salvar a nação

Presidente mais popular do Brasil retorna do exílio político com a promessa de salvar a nação



O gênero que atribuímos a uma história de vida depende muito de como ela termina. A vida de Luiz Inácio Lula da Silva já completou vários arcos dramáticos. Primeiro, a jornada do herói: uma criança nascida na pobreza se muda para a cidade grande, sobe para liderar um sindicato e depois se torna o presidente mais popular da história do Brasil moderno. Em seguida, a tragédia: um estadista célebre é apontado em um esquema de corrupção impressionante, enviado para a prisão e forçado a assistir do lado de fora enquanto os rivais desmantelam seu legado.



Os finais parecem não se encaixar, no entanto. Em abril de 2021, a Suprema Corte do Brasil anulou as condenações por corrupção que haviam excluído Lula - como ele é universalmente conhecido - da política em 2018, dizendo que um juiz tendencioso em seu caso havia comprometido seu direito a um julgamento justo. A decisão bombástica colocou o Brasil a caminho de um confronto entre o esquerdista Lula e o atual presidente de extrema direita Jair Bolsonaro nas eleições de outubro de 2022. As pesquisas agora colocam o desafiante em 45% e o titular em 31%, com mais candidatos centristas praticamente fora da disputa.

Para Lula, que tem 76 anos e se preparava para uma vida mais tranquila longe dos salões do poder, essa nova reviravolta em sua história foi uma surpresa. Mas ele não hesitou em retornar à política de linha de frente. "Na verdade, eu nunca desisti", ele resmunga em sua famosa voz rouca, mais rouca com a idade. "A política vive em cada célula do meu corpo, porque eu tenho uma causa. E nos 12 anos desde que deixei o cargo, vejo que todas as políticas que criei para beneficiar os pobres foram destruídas."

É final de março, seis semanas antes de Lula lançar sua campanha, e ele está sentado em um estúdio na sede paulista de seu Partido dos Trabalhadores (PT). Rindo e reclamando que ninguém sabe como projetar uma cadeira confortável hoje em dia, ele parece um avô jovial. Mas em sua alusão ao governo atual, suas costas enrijecem e as notas mais profundas e roucas de sua voz assumem o controle. Lula se torna o jovem líder sindical que era na década de 1970 e se lança em um discurso pronto para o palanque.

O sonho do Brasil que Lula perseguiu durante sua presidência de 2003 a 2010 está em frangalhos, diz ele. Por meio de programas sociais progressistas, pagos pelo boom de produtos brasileiros como aço, soja e petróleo, o governo Lula tirou milhões da pobreza e transformou a vida da maioria negra e da minoria indígena do país . Bolsonaro deu um golpe em tudo isso, descartando políticas que ampliavam o acesso de pessoas pobres à educação, limitavam a violência policial contra comunidades negras e protegiam terras indígenas e a floresta amazônica . A COVID-19 já matou pelo menos 660.000 brasileiros. O pedágio, o segundo maior do mundo, provavelmente foi piorado por Bolsonaro, que chamou o vírus de "um pouco de gripe", apelidou as pessoas que seguiam as orientações de isolamento de "idiotas" e se recusaram a tomar uma vacina e a comprar doses para os brasileiros quando estivessem disponíveis. Uma pesquisa nacional de dezembro de 2020 mostrou que mais de 55% dos brasileiros viviam em insegurança alimentar, acima dos 23% em 2013.

Mesmo a jovem democracia brasileira se sente menos que segura . Bolsonaro, um defensor da ditadura militar do século 20 do país, convocou comícios em massa contra juízes que o desagradam e atacou jornalistas críticos. Ele também passou meses alertando sobre fraude eleitoral no Brasil, em um eco do comportamento do presidente Donald Trump antes das eleições americanas de 2020. Em abril, ele sugeriu que as eleições poderiam ser "suspensas" se "algo anormal acontecer". Se ele perder, alertam os analistas, é provável que haja uma versão brasileira do motim de 6 de janeiro. Se ele vencer, as instituições brasileiras podem não aguentar mais quatro anos de seu governo.

Saindo do exílio político como um cavaleiro branco, Lula afirma que pode salvar o Brasil desse pesadelo. Mas pode não ser mais o mesmo país que ele governou. Sua economia está se recuperando da pandemia, com inflação de dois dígitos e nenhum boom de commodities no horizonte. Uma crise política de seis anos dividiu amargamente a sociedade. As brechas geopolíticas que o Brasil já atravessou se ampliaram, e o Ocidente está em uma nova guerra quente e fria com a Rússia.

Lula, porém, acredita que um raio cairá duas vezes. "No futebol americano, existe um jogador - por acaso ele acabou ficando com uma modelo brasileira", diz ele, referindo-se a Tom Brady e sua esposa Gisele Bündchen. "Ele é o melhor jogador do mundo há muito tempo, mas em cada jogo, seus fãs exigem que ele jogue melhor do que no último. Para mim, com a presidência, é a mesma coisa. Só estou correndo porque posso fazer melhor do que antes."


Lula, que disputará as eleições presidenciais de outubro, participa de evento sindical durante o Dia Internacional dos Trabalhadores em São Paulo. Luisa Dörr por TIME

A multidão está esperando há horas. As crianças sentam-se inquietas em cadeiras brancas de plástico, amontoadas com os pais sob uma marquise para proteger do sol escaldante do meio-dia. Muitos vestem camisetas vermelhas com o logotipo do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Teto (MTST), que luta por moradias populares e organizou essa manifestação em um estacionamento da periferia operária de São Paulo. "Faz muito tempo", Lula finalmente começa a cantar seu nome, "que eu sinto falta do microfone".

Bairros como este são a terra natal de Lula. Quando ele tinha 7 anos, em 1952, sua mãe trouxe ele e seus sete irmãos do nordeste do Brasil, viajando duas semanas em uma caçamba aberta, para São Paulo. Eles moravam nos fundos de um bar, e Lula deixou a escola aos 12 anos para ajudar a sustentá-los. Aos 17 anos, ele estava fazendo maçanetas em uma fábrica e, em um turno da noite, perdeu o dedo mindinho esquerdo em uma máquina. Aos 23 anos, Lula se casou com uma vizinha, Maria de Lourdes. Mas ela morreu dois anos depois de uma infecção de hepatite enquanto grávida de oito meses de seu primeiro filho, que também morreu - vítimas, Lula diria mais tarde, da assistência médica de baixa qualidade oferecida aos pobres do Brasil. Alguns anos depois, em 1975, foi eleito dirigente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, bairro paulista a poucos quilômetros do local do rali.

Muitos no Brasil conhecem essa história, que foi imortalizada em um filme meloso de 2009 , Lula, Filho do Brasil."A trajetória de Lula tem uma qualidade mítica muito forte para todos que lutam por justiça social no Brasil", diz Guilherme Boulos, 39 anos, coordenador do MTST, muitas vezes considerado o herdeiro político de Lula. "Mas ele próprio não é uma pessoa distante e cerimonial. Ele ainda fala a língua do povo." Lula diz que o segredo de seu sucesso está em sua capacidade de se relacionar com os brasileiros da classe trabalhadora - um feito incomum em um país onde os políticos são propensos a gafes do preço do leite. "Sinto orgulho de ter comprovado que um metalúrgico sem diploma universitário é mais competente para governar este país do que a elite do Brasil", diz. "Porque a arte do governo é usar o coração, não apenas a cabeça."


Lula em evento em São Bernardo do Campo durante sua campanha presidencial de 1989. Antonio Ribeiro-Gamma-Rapho/Getty Images

Bolsonaro, um ex-capitão do Exército devotado ao estilo político "diz o que realmente pensa", provavelmente concordaria com a importância de se conectar emocionalmente com os eleitores. Mas o populismo de Lula esconde um pragmatismo astuto que lhe permitiu navegar nas águas políticas do Brasil. Como presidente, Lula manteve o conservadorismo fiscal de seu antecessor de centro-direita, Fernando Henrique Cardoso, aderindo aos acordos do Brasil com o Fundo Monetário Internacional e satisfazendo os investidores. Ao mesmo tempo, seu carro-chefe, o Bolsa Família, impulsionou a renda das famílias mais pobres, enquanto outras políticas ampliaram o acesso à educação e à saúde. "Se posso dizer que tenho uma filha formada em direito, é por causa dos programas criados pelo governo Lula", diz Mel Nogueira, 39, no comício em São Paulo. "Ele representa a própria esperança." Em 2009,

Então tudo desmoronou. Em 2014, investigadores brasileiros descobriram um vasto esquema de propinas para contratos, centrado na gigante petrolífera estatal Petrobras, com bilhões em fundos públicos roubados. A sonda foi apelidada de Lava Jato . Lula não estava mais no cargo, mas os partidos da oposição no Congresso aproveitaram a revolta com o escândalo e a crise econômica no Brasil para destituir sua protegida do PT, a presidente Dilma Rousseff . Ela não foi diretamente implicada na Lava Jato, mas os legisladores votaram nela sob o pretexto de que ela havia falsificado números para melhorar as contas públicas antes de uma eleição e a substituíram por uma presidente interina de direita. Duas semanas depois, os promotores alegaram que Lula era o "cérebro" do esquema de corrupção. A carga formalera que ele havia recebido um apartamento à beira-mar como suborno de uma construtora. Lula negou ter possuído a propriedade, mas em 2017 o juiz federal Sergio Moro o condenou a quase 10 anos de prisão.

De trás das grades no ano seguinte, Lula montou uma nova campanha para a corrida presidencial de outubro. Ele estava à frente nas pesquisas quando o mais alto tribunal eleitoral do Brasil decidiu que ele não poderia ser candidato. Lula detectou a lógica disso: "Não fazia sentido o impeachment de Dilma, se dois anos depois eu seria presidente novamente. Então eles tiveram que me tirar do jogo." Bolsonaro derrotou o substituto petista de Lula por 55,2% para 44,8%. Moro serviria como ministro da Justiça no governo Bolsonaro.


Lula é visto na televisão fazendo um discurso respondendo às acusações de corrupção contra seu governo, dentro de uma loja em São Paulo em 2004. Alex Majoli-Fotos Magnum

Para a esquerda brasileira, o impeachment de Dilma foi um golpe, um ataque não à corrupção - a Lava Jato implicou políticos de todo o espectro político - mas ao progresso social que Lula e Dilma tentaram alcançar. No entanto, alguns apoiadores permaneceram inseguros sobre o que aconteceu sob a vigilância de Lula. "Gostaria que a investigação tivesse me convencido se ele era culpado ou inocente", disse a cineasta de esquerda Petra Costa em seu documentário de 2019, The Edge of Democracy. "Mas, em vez disso, eu estava vendo promotores fazendo um espetáculo para apresentar seu caso."

Lula havia passado 18 meses na prisão quando o Supremo Tribunal Federal decidiu, em novembro de 2019, que os réus não podem ser presos antes de esgotar suas opções de apelação. (Em abril de 2022, o comitê de direitos humanos da ONU disse que o julgamento de Lula havia sido tendencioso e violado o devido processo legal.) Foi um período sombrio em sua vida. Publicações que antes celebravam suas realizações o descreviam como um criminoso. Sua segunda esposa, de 43 anos, Marisa Letícia, havia morrido de AVC durante o processo, e enquanto ele estava preso, seu neto Arthur, de 7 anos, morreu de meningite.

Lula desvia de questionamentos sobre seu estado de espírito nesse período. Ele diz que se fortaleceu com os gritos de "bom dia, presidente" de apoiadores que mantinham uma vigília do lado de fora da prisão. "Estava preparado para sair da prisão sem ressentimentos, apenas lembrando que fazia parte da história. Não consigo esquecer", diz. "Mas não posso colocá-lo na mesa todos os dias. Quero pensar no futuro."


Uma multidão de apoiadores carrega Lula durante uma reunião do lado de fora do prédio do sindicato dos metalúrgicos em São Bernardo do Campo, em São Paulo, Brasil, em 9 de novembro de 2019, depois que o ex-presidente foi libertado da prisão. Nelson Almeida-AFP/Getty Images

Apesar de toda a sua conversa sobre o futuro, a campanha de Lula até agora foi baseada na nostalgia. Quando ele era presidente, apontam seus anúncios no Facebook, o desemprego era menor , os salários eram mais altos e o combustível era barato . "Lula não apresentou realmente um plano para o futuro. Por enquanto, ele está apenas apresentando a ideia de que foi um presidente melhor que Bolsonaro", diz Thomas Traumann, consultor político e ex-secretário de comunicação brasileiro.

A má gestão da pandemia de Bolsonaro e os ataques às instituições democráticas permitiram a Lula comandar uma ampla coalizão de unidade. Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo de centro-direita que foi rival de Lula nas eleições de 2006, será seu companheiro de chapa. Outros ex-críticos estão apoiando sua campanha, incluindo Felipe Neto, um popular YouTuber que foi uma voz feroz contra o PT durante a Lava Jato. "Não sou petista e tenho duras críticas sobre muitos assuntos relacionados a Lula. Mas essas críticas são no campo político, não nos direitos humanos", diz. "Gostaria de me opor a um líder legítimo; Não aguento mais fazer isso contra um assassino."

Em um país onde o PIB per capita foi cortado quase pela metade desde 2014, até mesmo as elites, muitas das quais apoiaram Bolsonaro em 2018, se animaram com a ideia de que Lula pode ser melhor para os negócios. "Sou o único candidato com quem as pessoas não devem se preocupar [com a política econômica]", diz Lula. "Porque já fui presidente duas vezes. Não discutimos políticas econômicas antes de vencer as eleições. Primeiro, você tem que ganhar as eleições." Isso será uma surpresa para muitos, já que a economia costuma estar no centro das campanhas presidenciais do Brasil. Mas Lula dobra, citando estatísticas do boom do Brasil nos anos 2000. "Você tem que entender que em vez de perguntar o que vou fazer, apenas olhe para o que eu fiz."

Se vencer, porém, Lula herdaria um panorama econômico mais sombrio do que em 2003. "É difícil quantificar quanto do sucesso econômico do primeiro governo Lula se deveu às incríveis condições que ele teve a sorte de ter", diz Gustavo Ribeiro, analista político. "Vai ser uma tarefa muito mais assustadora pela frente."

Isso talvez seja mais evidente na questão do petróleo. Durante o governo do PT, as descobertas offshore da Petrobras reforçaram os orçamentos estaduais e mantiveram os preços dos combustíveis baixos no Brasil. Hoje, o preço global do petróleo está subindo, impulsionando a inflação no Brasil, enquanto os esforços para combater a crise climática lançam uma sombra sobre o futuro do setor de petróleo, que representa 11,5% das exportações brasileiras. Na Colômbia, Gustavo Petro, o favorito da esquerda nas próximas eleições, prometeu a suspensão imediata da exploração de petróleo em seu país - de acordo com as recomendações da Agência Internacional de Energia. Ele expressou esperança de que Lula e outros aliados progressistas se juntem a ele em um bloco anti-petróleo.

A resposta de Lula decepcionará os ambientalistas. "Olha, o Petro tem o direito de propor o que quiser. Mas no caso do Brasil, isso não é real", diz. "No caso do mundo, não é real." Ele pode interromper a exploração de novos depósitos de petróleo enquanto extrai o petróleo que o Brasil já localizou? "Não, enquanto você não tiver energia alternativa, você continuará usando a energia que tem."

Embora Lula diga que seu governo aumentaria a produção brasileira de energia limpa, ele também prometeu investir em novas infraestruturas de refinarias de petróleo em um esforço para dissociar o petróleo brasileiro do mercado global. Ele a enquadra como uma questão de soberania. "Pense na nossa querida Alemanha : Angela Merkel decidiu fechar todas as usinas nucleares . Ela não contava com a guerra na Ucrânia. E hoje, a Europa depende da Rússia para energia."

As opiniões de Lula sobre política externa o colocam contra o vento predominante hoje. Como presidente, ele se recusou a tomar partido nas discussões do Ocidente com seus rivais e se orgulhava de falar com o venezuelano Hugo Chávez ou o iraniano Mahmoud Ahmadinejad na mesma semana que George W. Bush ou Barack Obama. Ele diz que ficou "muito preocupado" quando os EUA e muitos países latino-americanos reconheceram Juan Guaidó, líder da oposição de centro-esquerda da Venezuela, como presidente em 2019, em uma tentativa de forçar Nicolás Maduro, sucessor autoritário de Chávez , do poder. Ainda hoje, após o colapso da Venezuela na cleptocracia, Lula se recusa a chamar Maduro de ditador.

Lula continua a acreditar que "dois chefes de Estado eleitos, sentados à mesa, olhando-se nos olhos", podem resolver quaisquer divergências. Ele afirma que o presidente Joe Biden e os líderes da UE não fizeram isso o suficiente no período que antecedeu a invasão russa de seu vizinho em fevereiro. "Os Estados Unidos têm muita influência política. E Biden poderia ter evitado [a guerra], não incitado", diz ele. "Ele poderia ter participado mais. Biden poderia ter tomado um avião para Moscou para conversar com Putin. Esse é o tipo de atitude que você espera de um líder."

A maioria dos analistas ocidentais argumenta que a invasão de Vladimir Putin foi alimentada por um desejo imperialista de tomar território, e não por provocações da Ucrânia. Mas, na visão de Lula, até o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, que enfrentou um acúmulo de tropas durante meses em suas fronteiras antes da eclosão da guerra em fevereiro, compartilha a culpa. "Vejo o presidente da Ucrânia, falando na televisão, sendo aplaudido, sendo aplaudido de pé por todos os parlamentares [europeus]", diz ele, balançando a cabeça com raiva. "Esse cara é tão responsável quanto Putin pela guerra. Porque na guerra, não há apenas uma pessoa culpada." Ele argumenta que é irresponsável os líderes ocidentais celebrarem Zelensky em vez de se concentrarem em negociações a portas fechadas. "Você está encorajando esse cara, e então ele pensa que é a cereja do seu bolo. Devíamos ter uma conversa séria. OK, você era um bom comediante. Mas não vamos fazer guerra para você aparecer na TV."

Os EUA e a UE deveriam ter assegurado a Putin que a Ucrânia não se juntaria à Otan , diz Lula, fazendo uma comparação com a crise dos mísseis cubanos de 1962, quando os EUA e a Rússia concordaram em remover os lançamentos de mísseis dos quintais um do outro. As sanções ocidentais à Rússia impactaram injustamente as economias de outras regiões, acrescenta. "A guerra não é solução", diz ele. "E agora vamos ter que pagar a conta por causa da guerra na Ucrânia. Argentina, Bolívia também terão que pagar. Você não está punindo Putin. Você está punindo muitos países diferentes, você está punindo a humanidade."

O conflito ressalta a necessidade de renovar as instituições globais, diz ele. "As Nações Unidas de hoje não representam mais nada. Os governos não levam a ONU a sério hoje, porque tomam decisões sem respeitá-la", diz Lula. "Precisamos criar uma nova governança global." Por mais difícil que seja no mundo fragmentado de hoje, muitos líderes e diplomatas saudariam o retorno de Lula: nos últimos quatro anos, Bolsonaro queimou inúmeras pontes, irritando a China com piadas racistas sobre o COVID-19 e zombando de líderes da UE. "O Brasil voltará a ser protagonista no cenário internacional", promete Lula, "e provaremos que é possível ter um mundo melhor".

Se a posição de Lula sobre a Ucrânia, ou sua recusa em reconhecer quaisquer erros relacionados à corrupção de seu partido, sugere teimosia, seus apoiadores dizem que ele está disposto a evoluir onde importa.

Por exemplo, a conversa no Brasil sobre racismo sistêmico tem avançado desde 2010. De acordo com Douglas Belchior, organizador da Coalizão Negra por Direitos, os programas de combate à pobreza e acesso à educação de Lula deram a ele um forte histórico de melhorar a vida de brasileiros negros e mestiços , que representam 56% da população e 75% dos mais pobres do país. Mas hoje, brasileiros negros e indígenas estão pedindo ações mais direcionadaspara desfazer o legado penetrante da escravidão e do colonialismo. O próximo governo Lula precisará colocar mais ênfase no antirracismo e corrigir "algumas falhas graves" dos governos anteriores do PT no policiamento, diz Belchior. "Voltar ao ponto imediatamente anterior a Bolsonaro não é suficiente para nós. Temos que avançar de onde os governos do PT pararam", diz. "E Lula ouviu muitos ativistas, intelectuais e políticos negros. Ele sabe que a reconstrução do Brasil exige o enfrentamento do racismo".

Há também sinais de movimento em questões ambientais. Embora Lula seja menos ambicioso em eliminar os combustíveis fósseis, seus governos foram bem-sucedidos em conter o desmatamento. Agora ele está centralizando as mudanças que o Brasil precisa fazer nos alimentos para combater as mudanças climáticas - sem dúvida mais importantes em um país onde a agricultura e o uso da terra representam 61,5% das emissões anuais de gases de efeito estufa. "Melhorei a forma de falar. Agora não estou falando apenas sobre [garantir que as pessoas possam pagar] um churrasco, mas também sobre vegetarianos", ele twittou em fevereiro. "Para que possamos estimular uma agricultura mais saudável em nosso país."

A mídia brasileira atribui alguns dos novos pontos de discussão de Lula - que também incluem ênfase na igualdade de gênero e direitos dos animais - à influência de sua noiva Rosângela da Silva (sem parentesco). Em 2019, Lula anunciou seu noivado com Lula, sociólogo de 55 anos e ativista do PT, e planejam se casar em maio. Ele hesita em falar sobre ela - "Ela pode falar por si mesma!" - mas ele "aprendeu com ela", diz ele. "Quando você perde sua esposa, você pensa, bem, minha vida não tem mais sentido. Então, de repente, aparece essa pessoa que faz você sentir vontade de viver novamente. Estou apaixonado como se tivesse 20 anos, como se fosse minha primeira namorada."

Lula acredita que o casamento dará o tom de seu próximo capítulo político. "Um cara tão feliz quanto eu não precisa se enfurecer - deixe seus oponentes fazerem o que quiserem", diz ele. "Se eu puder, na campanha, falarei apenas de amor. Eu não acho que seja possível ser um bom presidente se você só sente ódio dentro de você, se tudo que você quer é vingança. Não, o passado acabou. Construirei um novo Brasil".

Com reportagem de Eloise Barry/Londres

Time.com
https://time.com/6172611/brazil-president-lula-interview

Ir para IPO News