Governador Vincenzo De Luca anuncia fim de campanha de vacinação em Capri | Imagem: Foto: ANSA / Ansa - Brasil
A bela Capri aguarda a volta dos turistas no verão

A bela Capri aguarda a volta dos turistas no verão

A balsa que atraca hoje na charmosa Ilha de Capri deixa os turistas de frente a um outdoor azul com os dizeres: "Capri, uma ilha livre de Covid". Além de um importante aviso, a placa é uma espécie de troféu para os habitantes e os trabalhadores italianos que desembarcam diariamente num vai-e-volta ao continente.

"É hora de reservar as férias na Itália", declarou recentemente o primeiro-ministro Mario Draghi. "É uma mensagem muito forte que enviamos a todo mundo: podem vir para cá com total segurança", emendou o prefeito de Capri, Marino Lembo.

Os italianos não perderam tempo e estão seguindo à risca o chamamento de Draghi e de Lembo, ainda mais porque se aproxima o verão europeu. Primeiro país europeu a sofrer duramente com a Covid-19 no ano passado, a Itália procurou cumprir uma rigorosa campanha de vacinação. Mas não sem algumas falhas e disputas regionais.




O presidente da região da Campânia, que inclui a Ilha de Capri, procurou acelerar a vacinação local priorizando os idosos e chegando até os jovens na faixa dos 20 anos. Houve certa polêmica com outras regiões, como Friul-Veneza Giulia, no Nordeste da Itália, que alertou que a tensão social poderia aumentar se Capri, que evitou o surto, insistisse em vacinar os mais jovens em detrimento de idosos de outras partes do País.

O governo federal administrou a briga regional mas deixou correr o calendário próprio do presidente da Campânia, Vincenzo de Luca, com a preocupação econômica de deixar os principais pontos turísticos prontos para o verão.

Preocupação essa que atinge também outros países europeus. Portugal e Espanha, por exemplo, já anunciaram a permissão para entrada de turistas agora em junho. Inicialmente, está prevista a entrada no continente europeu de turistas vacinados com as duas doses das vacinas reconhecidas pela zona do euro, como a Pfizer e a Astrazeneca que os brasileiros já conhecem. Mas com o reconhecimento, esta semana, da Coronavac chinesa pela Organização Mundial da Saúde, é uma questão de tempo para que essa também seja liberada em todo o continente.

Mas enquanto os políticos decidem que vacina será ou não reconhecida, e quando as fronteiras serão franqueadas aos turistas, cidades como Capri batalham para retomar suas atividades, já que o turismo nessa ilha da região de Nápoles caiu 70% em 2020. Para a Itália, é crucial essa retomada, já que o turismo corresponde a cerca de 13% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Onde fica




Capri é uma pequena ilha localizada no Golfo de Nápoles, no sul da Itália. Com 10,4 quilômetros quadrados de área, fica bem próxima de outros concorridos pontos turísticos do continente, como Sorrento, Positano e Amalfi, esta a localidade que dá o nome à Costa Amalfitana.

Partindo da capital Roma, geralmente o ponto de chegada dos turistas, a viagem de carro até a Costa Amalfitana percorre 277 quilômetros de estrada e leva cerca de 3h20min. para ser cumprida.

Ir para IPO News